domingo, 29 de novembro de 2009

Nosso Vídeo sobre o assunto:

video

ECA

Nosso trabalho foi baseado no Eca, nos seguintes itens:

Medidas de proteção Art. 101 VI - inclusão em programa oficial ou comunitário de auxílio, orientação e tratamento a alcoólatras e toxicômanos;

Medidas pertinentes aos pais ou responsável Art. 129 II - inclusão em programa oficial ou comunitário de auxilio, orientação e tratamento a alcoólatras e toxicômanos;

Aplicação de medida pelo Conselho Tutelar Art. 136 II - atender e aconselhar os pais ou responsável, aplicando as medidas previstas no art. 129, I a VII, que é onde entra as partes dos pais como responsáveis inclusão, orientação e tratamento em programas oficiais.

Definições

O que é alcoolismo?



O alcoolismo é o conjunto de problemas relacionados ao consumo excessivo e prolongado do álcool; é entendido como o vício de ingestão excessiva e regular de bebidas alcoólicas, e todas as conseqüências decorrentes. O alcoolismo é, portanto, um conjunto de diagnósticos. Dentro do alcoolismo existe a dependência, a abstinência, o abuso (uso excessivo, porém não continuado), intoxicação por álcool (embriaguez). Síndromes amnéstica (perdas restritas de memória), demencial, alucinatória, delirante, de humor. Distúrbios de ansiedade, sexuais, do sono e distúrbios inespecíficos. Por fim o delirium tremens, que pode ser fatal. Assim o alcoolismo é um termo genérico que indica algum problema, mas medicamente para maior precisão, é necessário apontar qual ou quais distúrbios estão presentes, pois geralmente há mais de um.



http://www.psicosite.com.br/tra/drg/alcoolismo.htm


O que é toxicômania?

Mania de usar substância nociva ao organismo e que produz alterações físicas e/ou psíquicas diversas, podendo causar sérias modificações de comportamento além de gerar dependência.

Fonte: Aurelio Online


DROGAS: Tipos e Efeitos

COCAÍNA


  • Outros nomes: Coca; pó; branquinha; farinha.



  • Como é consumida: Cheirada; dissolvida em água e injetada; misturada na bebida.



  • Efeitos negativos: A cocaína aumenta a pressão arterial e o batimento cardíaco. Altera o ritmo respiratório; faz as pupilas dilatarem e aumenta a temperatura do corpo. Causa irritabilidade e ansiedade, perda de apetite e apoplexia. Gera dependência e pode levar à morte por overdose. Riscos de HIV, hepatite e outras moléstias infecto/contagiosas por uso de seringas.

CRACK E MERLA


  • Outros nomes: Pedra



  • Como é consumida: Aquecidos e fumados com cachimbos ou artefatos que possibilitam a queima.



  • Efeitos Negativos: O efeito da droga leva 15 segundos para atingir o cérebro e causar a fissura. As conseqüências são as mesmas da cocaína.

MACONHA


  • Outros nomes: Erva, haxixe, baseado, beck, marijuana.



  • Como é consumida: Pode ser fumada ou ingerida.



  • Efeitos negativos: Aumenta os batimentos cardíacos, deixa os olhos vermelhos e a boca seca; prejudica a noção de tempo e espaço; afeta temporariamente a visão, prejudicando o mecanismo de rastreamento; prejudica a memória e a habilidade matemática. Pode causar ansiedade intensa, paranóia ou ataques de pânico, e desencadear processos psicóticos. Afeta a capacidade imunológica do organismo e, nos homens, diminui a produção de espermatozóides. Causa dependência psíquica.

HEROÍNA


  • Outros nomes: Cavalo; açúcar mascavo; dopa.



  • Como é consumida: Injetada, fumada ou inalada.



  • Efeitos negativos: Deixa o usuário com a fala arrastada e as pupilas contraídas. Prejudica a visão noturna e pode causar vômitos (após o primeiro uso ou quando consumida em altas doses). Piora o desempenho sexual e diminui o interesse por sexo. Deixa a respiração difícil e arfante; a pele fica inchada e seca. Em altas doses, a heroína provoca a perda dos sentidos e morte por overdose. Causa dependência de forma extremamente rápida.

LSD


  • Outro nome: Ácido Lisérgico Diethylamídico


  • Como é consumida: Tabletes tomados oralmente, ou em forma líquida (gelatinosa) colocado sobre os olhos.


  • Efeitos negativos: Causa elevação da temperatura do corpo e pressão do sangue; perda de apetite; sonolência e tremores. Pode provocar alucinações crônicas e desencadear processos psicóticos.


TABACO



  • Outro nome: Fumo


  • Como é consumida: Cigarro; charuto; cachimbo; cigarrilhas e toda a forma de fumar e inalar tabaco. Pode ser cheirado (rapé).


  • Efeitos negativos: Dependência (vício); moléstias cardíacas e cardiovasculares. Câncer de boca, laringe, faringe, estômago, pâncreas e rins; enfisema e bronquite crônica.


ECSTASY LÍQUIDO

  • Outro nome: GHB (ácido Gama- Hidroxibutírico)
  • Como é consumida: Pó incolor, inodoro e levemente amargo diluído em água ou álcool para beber.

  • Efeito negativo: Dificuldade de concentração, perda de memória e consciência, parada cardiorespiratória, diminuição dos reflexos e disfunção renal.


Fonte: http://www.contradrogas.org.br/v3/paginas/as_drogas_2.aspx?cd_menu=5&cd_menulateral=2

A negligência familiar é uma realidade

Mais que os problemas financeiros, de saúde e exclusão do convívio social, a dependência química dos pais é responsável por uma das principais formas de violência contra crianças: a negligência familiar. Onde pais e mães são, disparado, os protagonistas de violação dos direitos da criança e do adolescente. Isso quer dizer que eles deixam de dar alimento, abrigo, roupa ou amor às crianças pelas quais são responsáveis. Sem contar os casos de violência e maus-tratos.
Em uma pesquisa feita no Paraná, confirma que 43,2% do total de violações de direitos partem dos pais, sendo 23,7% de responsabilização da mãe e 19,5% do pai. E a história não muda muito quando a criança fica com outros responsáveis, além de tios, avós, madrastas e padrastos.
Em casos de negligência, os responsáveis podem ser punidos pelos crimes de abandono de incapaz e por maus tratos, previstos no Código Penal. E, para a criança vítima de negligência, os sinais podem permanecer.
De acordo com a Agência de Notícias dos Direitos da Infância (Andi), as crianças vítimas de negligência podem não apresentar um desenvolvimento físico ou emocional normal, com prejuízo no relacionamento social e no diálogo. Sem receber amor dos pais, as próprias crianças crescem não demonstrando amor ou ficar indiferentes com as pessoas com quem convive.

Abrigos
Na tentativa de se evitar a negligência de pais usuários de álcool ou outras drogas com os filhos, o que pode provocar inclusive morte das crianças pela falta de cuidado, os órgãos responsáveis são obrigados a retirar a criança do convívio da família para manter seu bem-estar.
Interferir no ambiente familiar é necessário para evitar situações extremas, como a registrada um caso de um bebê com apenas 25 dias morreu por negligência dos pais, usuários de droga em Maringá, no noroeste do Estado.
Este não é um caso isolado só em Maringá, o Ministério Público registra, em média, dois casos por semana de pedido do Conselho Tutelar para afastamento da criança da família pelo uso de droga de pelo menos um dos pais.

“Em decorrência de problemas familiares, tem hoje muitos casos de crianças abrigadas”. Antes de se recorrer ao abrigo, o Conselho Tutelar tenta encontrar algum parente que possa tomar conta da criança.

Fonte: htpp://diganaoaerotizaçaoinfantil.word.com

CISA

O Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (CISA) é uma organização não governamental (ONG) sem fins lucrativos, cujo principal objetivo é gerar uma fonte de informações sobre o binômio saúde e álcool. O Centro dispõe de um banco de dados baseado em publicações científicas reconhecidas nacional e internacionalmente, em dados oficiais (governamentais) e na informação de qualidade publicada em jornais e revistas destinados ao público em geral.

Materiais disponibilizados pela Ong:
http://www.cisa.org.br/upload/Livreto.pdf (Livreto "Como Falar Sobre Uso de Álcool com seus Filhos"O livreto, lançado em 2005 pelo Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (CISA) tem como objetivo informar pais e educadores sobre as melhores formas de se comunicar com crianças e adolescentes sobre o uso de álcool.)

http://www.compartilhar.org.br/popup_cartilha.html (Guia "Faça a Escolha Certa: Esporte sem Álcool"Guia elaborado pelo CISA e o Instituto Compartilhar com o objetivo de prevenir o consumo de álcool por crianças e adolescentes.)

Vídeo "Como Falar Sobre Uso de Álcool com seus Filhos"O vídeo apresentado pelo presidente do CISA - Dr. Arthur Guerra de Andrade, mostra a relação nociva do álcool na adolescência e orienta como os pais devem reagir ao problema. http://www.cisa.org.br/materiais.php?FhIdCategoria=c16032ca84bf2c0e93f4b59be68f70e7

Além disso na site da CISA tem varias reportagens referente ao assunto de alcoolismo e adolescente interessantes no link Na mídia.

Projeto Quixote

O Projeto Quixote é uma OSCIP¹, sem fins lucrativos e é ligada à UNIFESP. Existente desde 1996, busca construir com crianças e jovens em situação de risco social, alternativas eficientes através da arte para os desafios cotidianos de suas vidas, como a violência, o abandono, a falta de referências e o abuso de drogas.

Video Institucional:


Para atingir a nossa missão, o Projeto Quixote atua em 3 frentes: Atendimento, Ensino e Pesquisa. Por meio do Atendimento atinge diretamente crianças, jovens e seus familiares; com o Ensino busca multiplicar o conhecimento adquirido; e com a Pesquisa disponibiliza instrumentos que visam influenciar políticas públicas voltadas a crianças, jovens e famílias em situação de risco.
A instituição consegue sua renda oferencendo serviços de grafitti e produzindo e vendendo brindes sustentáveis.








1- A Organização da Sociedade Civil de Interesse Público é um título fornecido pelo Ministério da Justiça do Brasil, cuja finalidade é facilitar o aparecimento de parcerias e convênios com todos os níveis de governo e órgãos públicos (federal, estadual, e municipal) e permite que doações realizadas por empresas possam ser descontadas no imposto de renda. Uma ONG (Organização Não-Governamental), essencialmente é uma OSCIP.

Proad

PROAD (Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes) é um serviço ligado ao Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), destinado a dependentes de substâncias ilícitas e lícitas.

O PROAD desenvolve trabalhos de prevenção do uso indevido de álcool e outras drogas em empresas, escolas e na comunidade com o objetivo de:
Informar e propiciar reflexão sobre temas como dependência, uso e abuso de psicofármacos; diversas modalidades de tratamento; distintas teorias sobre dependências e aspectos socioculturais do uso de drogas.


Prevenção
Capacitar os indivíduos para a implantação e continuidade das ações preventivas em seu meio.
O trabalho de prevenção que o PROAD vem desenvolvendo desde 1986 inclui:

  • Palestras e debates.

  • Projetos de prevenção desenvolvidos na sede do programa.

  • Implantação de programas específicos em colaboração com outras instituições.

  • Programas específicos para escolas, empresas e comunidades com a possibilidade de atuações em diversos níveis preventivos (primário, secundário ou terciário).

  • Formação de agentes multiplicadores.

  • Coordenação de ciclos de workshops sobre prevenção.

  • Treinamento para profissionais na área de prevenção.

  • Implantação de programas de prevenção da infecção pelo HIV e da AIDS em usuários de drogas.
    Plantão de informações aberto à comunidade.

  • Programa de Redução de Danos relacionado ao uso de substâncias psicoativas.

Assistência

O setor assistencial do PROAD dispõe de um ambulatório composto de distintas modalidades de atendimento gratuito. São elas:

  • Grupo de Acolhimento
  • Triagem
  • Atendimento Clínico
  • Atendimento Psicoterápico
  • Terapia Ocupacional
  • Ateliê de Expressão Artística
  • Dramaterapia
  • Assistência às Famílias

Proerd


Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência, é desenvolvido pela Polícia Militar do Estado de São Paulo e visa prevenir o uso de drogas nas escolas entre as crianças do ensino fundamental.
Surgiu nos Estados Unidos em 1983, na cidade de Los Angeles, e foi sendo expandido rapidamente para vários países do mundo. Em São Paulo desde 1993, mais de 3,5 milhões de crianças frequentaram o PROERD.

Desenvolvido no ambiente escolar, o PROERD envolve crianças na faixa etária dos 9 aos 12 anos do ensino fundamental, concentrado na 4ª e 6ª série do regime de 8 anos e 5º e 7º - regime 9 anos, ambos do ensino fundamental.
Os instrutores são policiais militares especialmente treinados, que em encontros semanais de uma hora de duração na sala de aula, desenvolvem o programa utilizando cartilha especialmente criada para essa finalidade, que além de estimular as crianças para resistirem às pressões ao uso de drogas, estreita o realcionamento polícia-cidadão.